Minha lordose causa dor nas costas?

Minha lordose causa dor nas costas?

Recentemente, uma moça me perguntou: “Dr. João Luiz, eu tenho lordose! Minha lordose é a causa de minha dor nas costas?” Alguns instantes passam… Pensei como eu iria responder para a moça… porque, na verdade, todo ser humano tem lordose! Ou seja, ter lordose na coluna é normal! Mas, de certa forma, ela tinha razão com sua dúvida… O fato é que a compreensão de qual é seu tipo de lordose, de sua morfologia espinopélvica, poderá ser determinante para a manutenção de sua qualidade de vida no seu futuro.

Lordose causa dor nas costas? Qual é o seu tipo de lordose? Seu tipo de lordose predispõe a dor na coluna? Saiba sobre isso com quem publicou livro nos EUA sobre o assunto: Dr. Pinheiro Franco.

Lordose é um problema?

A coluna vertebral dos outros mamíferos, de um cachorro, de um gato, de um gorila, não tem uma curva com convidade para trás chamada lordose. Foi a aquisição desta curva, lordose, que permitiu ao Homo sapiens e seus ancestrais a manutenção de uma postura bípede, em pé. Assim, todo ser humano tem lordose. O bebê, quando nasce, só tem cifose, uma única curva, um “C”. À medida que ele se desenvolve, à medida que ele cresce, ele desenvolve esta curva com concavidade para trás chamada lordose. O bebê vai conseguir ficar em pé porque ele vai, com o passar dos meses, desenvolver sua lordose lombar.

Então, todos nós temos uma lordose, curva com concavidade para trás na coluna lombar, depois temos uma cifose, curva com concavidade para frente na coluna torácica e , por fim, todos temos uma curva com concavidade para trás no pescoço, chamada lordose. Tudo isto é normal. Então, ter lordose é normal! Ter lordose não é um problema! Mas… todo mundo não tem a mesma forma de lordose…E é aí que surge o problema…

Tipos de lordose e dor nas costas

Não é preciso ser médico ou neurocirurgião para se observar que pessoas têm lordoses diferentes. Basta olhar as pessoas andando na rua: observamos pessoas com curvas maiores na região lombar e pessoas com curvas menores. Na praia, então, nota-se que as pessoas têm curvas que podem ser muito diferentes umas das outras.

O que ninguém poderia imaginar no passado é que o entendimento a fundo da biomecânica da lordose permitiria um fantástico avanço na compreensão da causa e dos tratamentos deste grande mal que é a dor nas costas.

Livro de Dr. Pinheiro Franco nos EUA sobre os tipos de lordose

Em 2019, Dr. Pinheiro Franco e o francês Dr. Pierre Roussouly tiveram a honra de ter publicado na famosíssima editora dos EUA, THIEME, seu livro sobre o “Equilíbrio Lateral da Coluna” (tradução para “Sagittal Balance of the Spine”), que trata sobre os tipos de lordose, os 4 morfotipos espinopélvicos.

Poucos médicos do Brasil têm o privilégio de terem um livro publicado na célebre editora THIEME de New York. Isto é uma alegria não só para Dr. João Luiz Pinheiro Franco, mas também para todos os brasileiros, que têm um compatriota elevando a nível internacional o nome da medicina brasileira. Dr. Pinheiro Franco, enorme fã de Ayrton Senna, sabe que, guardadas as proporções, ele honra e eleva a bandeira do Brasil ao alto do mundo da Medicina.

No livro publicado nos EUA, Dr. Pinheiro Franco e seus colegas internacionais mostram que, hoje, conhecendo-se e sabendo analisar dados da anatomia de cada ser humano, consegue-se, de certa forma, entender a causa das dores nas costas de um ser humano. Entendendo-se a morfologia espino-pélvica de uma pessoa, ou seja, a forma da bacia e da coluna lombar de uma pessoa, consegue-se hoje, entender a tendência degenerativa da coluna daquela pessoa. Em outras palavras, estudando a fundo dados morfológicos de uma pessoa, consegue-se, de certo modo, entender o que vai acontecer com a coluna daquela pessoa com o passar das décadas; consegue-se de alguma maneira, dar um tratamento mais direcionado àquela coluna daquela pessoa ao longo de sua existência.

Imagem da capa do livro de Dr. Pinheiro Franco publicado na respeitada editora médica THIEME, de Nova Iorque: conhecimentos brasileiros ensinando médicos de todos os continentes de nosso planeta.

Lordose causa dor na coluna?

Assim, compreedendo-se estes conceitos acerca de lordose, os tipos de morfologia de bacia e coluna, e a tendência mecânica de envelhecimento de acordo com os 4 tipos diferentes de anatomia lombar, podemos responder à questão inicial deste blog. Lordose causa dor na coluna?

A melhor resposta seria: ” Lordose é uma curva natural da região lombar e da região cervical (pescoço) de todo ser humano. De acordo com a forma da lordose lombar, a coluna envelhece de modo diferente. Eventos diferentes acontecem na coluna de acordo com a forma da curva lombar. Convém compreender qual é a sua morfologia espinopélvica para se prevenir problemas no futuro.

Você compreendeu que tem lordose, mas não sabe seu tipo de lordose e a consequência do seu tipo de lordose para sua qualidade de vida futura. Marque já sua consulta com o neurocirurgião Dr. Pinheiro Franco porque analisaremos sua morfologia espinopélvica através de radiografias e prevenirmos problemas no futuro. A sua qualidade de vida no futuro deve ser planejada hoje.

Dr. Pinheiro Franco e seus livros, incluindo o livro científico publicado em Nova Iorque pela respeitadíssima editora norte-americana Thieme – porque temos orgulho de sermos brasileiros!

CLÍNICA PINHEIRO FRANCO

50 ANOS

Nosso lema: A sua qualidade de vida no futuro deve ser planejada hoje.

Venha adquirir a informação através daquele que publicou livro sobre a mais importante descoberta no âmbito do tratamento dos males degenerativos da coluna dos últimos 25 anos: Dr. Pinheiro Franco.

Compartilhe

Outras publicações

Outros Tratamentos

Minimamente Invasivo

Biacuplastia intradiscal

Tratamento que consiste em cauterizar as fibras nervosas causadoras de dor que estão dentro do disco vertebral.

Micro Cirurgia
Microcirurgia Zeiss

Microdiscectomia Zeiss

A microdiscectomia é, para o tratamento da hérnia de disco, o que se chama de padrão-ouro (gold standard em inglês). O que isto significa? Significa

Agende uma Tele Consulta

Consulta presencial ou on-line para um diagnóstico preliminar.